A Princesa Prometida – Um clássico relançado pela Intrínseca

Quem aqui se lembra da princesa Buttercup? A Princesa Prometida que vira e mexe aparecia na sessão da tarde? Tá, o filme é super antigo e talvez você não tivesse nascido ainda quando o filme foi lançado em 1987, mas certamente você já viu algum meme usando imagens dele.

A Princesa Prometida

A Princesa Prometida é uma grande paródia recheada de clichês que a gente ama: Buttercup é uma camponesa que se apaixona por Westley, um jovem fazendeiro que trabalhava para o seu pai. Os jovens apaixonados são separados por um acidente trágico envolvendo piratas.

Alguns anos se passam e a beleza de Buttercup chama a atenção do príncipe Humperdinck, que de príncipe só tem o título. O cara não passa de um embuste ambulante. Westley é o mocinho que volta para salvar a princesa prometida a Humperdinck das mãos do crápula.

Piratas, duelo de esgrima, traições, tramas da realeza e romance. Não tem como não amar.

A Princesa Prometida duelo

Esse clássico cult contava com ninguém menos que Robin Wright como Buttercup,a Princesa prometida. Sim, aquela que fez a tia da Mulher Maravilha, a General Antíope e também faz a Claire de House of Cards. Cary Elwes como Westley/Pirata Roberts/Homem de preto; Mandy Patinkin como o icônico Inigo Montoya, um espadachim espanhol; Wallace Shawn como Vizzini e Billy Crystal como Max Milagroso.

A Princesa Prometida
Elenco reunido em 2011

Edição de Luxo A Princesa Prometida

A Princesa Prometida CapaDia 26/06 a Editora Intrínseca vai lançar uma edição de luxo do livro que deu origem ao filme homônimo, roteirizado pelo próprio autor nos anos 80. Esta edição de luxo terá capa dura e trará textos extras que William Goldman escreveu para as edições comemorativas de 25 e 30 anos da obra original.

Pelo que podemos ver, a  arte da capa será lindíssima em tons de dourado,  com ilustrações fazendo referência ao filme de 1988.

 

Eu super vou querer um exemplar na minha estante. Será que demora muito pro dia 26/06 chegar?

Crazy Ex-Girlfriend é muito mais que uma série divertidinha

Crazy Ex-Girlfriend me fez chorar de rir. Me fez ter vergonha alheia em um nível elevadíssimo. Mas não é apenas uma série divertidinha não. Ela nos convida a refletir, com muito humor, sobre algumas questões importantes que vou falar a seguir.

Crazy Ex-Girlfriend

Rebecca Bunch (Rachel Bloom) é uma advogada de sucesso em Nova Iorque que mesmo com uma importante promoção a caminho, se sente completamente infeliz. Um acaso do destino a faz encontrar o primeiro namorado que teve, Josh Chan (Vincent Rodriguez III). Ele lhe fala o quão infeliz está em Nova Iorque e que vai voltar para sua cidade natal West Covina. (“West Covinaaaaaa… Californiaaaaa” hahaha já me vem logo uma das músicas da série só de pensar no nome da cidade de Josh – coloquei lá embaixo do texto o vídeo da música pra vocês verem).

Crazy Ex-Girlfriend
Parte do Elenco de Crazy Ex-Girlfriend

Como o próprio nome da série já sugere, Rebecca banca a Crazy Ex-Girlfriend e decide ir para onde a felicidade está: West Covina.  Onde por uma ‘coincidência’ Josh Chan também está. E é lá que ela dá início à uma série de situações surreais, mas que para algumas pessoas até podem ser bem reais.

Muitos momentos de vergonha alheia total, principalmente quando a mente criativa de Rebecca começa a imaginar seus musicais. Esse musicais meio que existem só na cabeça dela mas ao mesmo tempo envolve outras pessoas também. Ela faz de tudo para chamar a atenção de Josh, inclusive sair com o mau-humorado Greg  Serrano (Santino Fontana) – um barista local que se apaixona por ela só por ela estar claramente indisponível pra ele. Ou então quando tenta se aproximar da esnobe Valencia Rodriguez (Gabrielle Ruiz), namorada de Josh, que não tem amigos por ser muito metida à besta e por aí vai.

Crazy Ex-Girlfriend
Rebecca e Valencia

Becca é uma pessoa egoísta que só se preocupa em conquistar o Josh. Mesmo assim ela consegue uma grande aliada em sua empreitada: Paula Proctor (Donna Lynne Champlin), uma mulher mais velha que Rebecca e carente de emoções fortes em sua vida. Paula é uma das melhores personagens da série na minha opinião. Ela sofre um pouco com o egoísmo da amiga. Se doando demais, se sentindo como mãe dela, e não recebendo quase nada em troca. Há também o chefe delas, Darryl Whitefeather (Pete Gardner) que também tem suas próprias questões mas é um amorzinho de pessoa.

Crazy Ex-Girlfriend
Rebecca e Paula

As cenas de musicais da série são absurdamente divertidas. São variados estilos musicais, como números estilo Disney, outros parecem clipes dos anos 80 com direito a mullets. Algumas parecem clipes do dos anos 2000. Raps, Heavy Metal, Rock n Roll, musica latina, pop… Há números de praticamente todas as décadas, anos 30, 40, 50, 70 e por aí vai. As letras são hilárias, cheias de piadas e críticas divertidas. O musical que mais me fez sentir vergonha alheia foi o “Sexy getting ready song“, é de chorar de rir!

Há sátiras também a filmes como 50 tons de cinza, entre outros filmes e séries da cultura pop, como algumas referências a Harry Potter quando Rebecca afirma ser da Corvinal.

Crazy Ex-Girlfriend
Rebecca e Josh
Mas o que tem de importante em Crazy Ex-Girlfriend, afinal?

Body shaming, bullying, auto-bullying, alcoolismo, depressão, ansiedade, distúrbios de personalidade, feminismo, machismo, sororidade – são alguns dos assuntos abordados ao longo da série, no meio daquela maluquice toda que Rebecca gera na cidade.

A gente vai aos poucos descobrindo que, por trás de toda a comédia existem críticas importantes à sociedade. Existe também um forte alerta em relação às doenças psicológicas que muitos de nós sofremos nos dias atuais. Vale observar que não é somente a personagem principal que tem problemas nesse sentido. Vai ficando claro que todos têm, em algum nível, algum tipo de problema ou insatisfação pessoal.

Rachel Bloom que interpreta a protagonista Rebecca é a criadora da série e também a produz. Você deve conhecer já o trabalho de Santino Fontana que faz o Greg da animação Frozen, pois é ele quem faz a voz do Príncipe Hans. Todos os atores cantam e dançam e a maioria já fez trabalhos na Broadway.

Crazy Ex-Girlfriend é uma serie que já recebeu prêmios como o Emmy e Globo de Ouro e vale muito a pena assistir. O humor hilário, os musicais e os questionamentos tornam a série excepcional. Até  quem não curte musicais vai gostar, uma vez que se entende a dinâmica da série.  A gente passa a esperar pelo próximo musical louco que faz nos fazer gargalhar ou sentir profunda vergonha alheia ou as duas coisas ao mesmo tempo.

As três temporadas já produzidas de Crazy Ex-Girlfriend estão na Netflix. A série contará com apenas 4 temporadas.  Acredito que será bastante satisfatório para encerrar o arco da personagem principal Rebecca Bunch.

Dá uma olhadinha no trailer e não esqueça de ativar a legenda, caso ela não apareça de primeira 😉

Para mais dicas de filmes e séries, clica aqui.

Amor Verdadeiro na Livraria dos Corações Solitários, Annie Darling

Leve. Se há uma palavra para descrever Amor Verdadeiro na Livraria dos Corações Solitários essa palavra seria leve. Leve como somente Annie Darling sabe escrever.

Amor Verdadeiro na Livraria dos Corações Solitários

Enquanto A Pequena Livraria dos Corações Solitários conta a história de Posy Morland, esse segundo livro é focado em Verity, a funcionária introvertida da livraria Felizes para Sempre. Nesta série de livros, a autora Annie Darling se propôs a contar as histórias de cada um dos funcionários da livraria herdada por Posy, um grupo de personagens que ela chama carinhosamente de “‘alegre bando de desajustados” que por uma razão ou outra desistiram do amor e, ainda assim, o encontram quando menos esperam”.

Amor Verdadeiro é mais ou menos assim: Verity Love, super introvertida, decidiu ficar sozinha. Como ninguém a deixa em paz por causa disso, ela tem Peter Hardy, um namorado fictício que é muito útil para ajudá-la a escapar de eventos sociais indesejados. Devido a um mal entendido, ela se vê obrigada à apresentar a suas amigas um total estranho como namorado, complicando sua vida que era até então bastante simples e tranquila. Acontece que para Johnny, ter uma namorada fictícia pode ser bastante útil, então ele convence Verity a seguir com a farsa. A proposta é que a parceria dure apenas durante o verão, quando casamentos, festas de aniversário e diversos eventos ocorrem. A única promessa que fazem um ao outro é não se apaixonarem, já que Verity escolheu vier sozinha e o coração de Johnny já tem dona. – Nada disso é spoiler, está tudo na contracapa do livro!

Ao ler Amor Verdadeiro na Livraria dos Corações Solitários temos aquela nítida sensação de que Verity,  Johnny e todas as irmãs malucas de Verity passam a ser nossos amigos. Até os pais de ambos. Até os amigos deles. A gente fica mesmo querendo fazer parte daquela família barulhenta de Verity. Isso porque nos sentimos como se qualquer uma dessas pessoas ao mesmo temo incríveis e acessíveis poderia ser um amigo próximo. Ler Amor Verdadeiro na Livraria dos Corações Solitários é fácil e gostoso como comer um cupcake em uma agradável e alegre tarde de sábado. Como passar alguns momentos descontraídos conhecendo novos amigos e passando boas horas com eles.

Enquanto A Pequena Livraria dos Corações Solitários decepciona um pouco por causa de uma protagonista um pouco atrapalhada e fraca demais, Amor Verdadeiro na Livraria dos Corações Solitários tem uma protagonista com a qual posso me identificar melhor. A sua maneira, ela é mais forte que Posy, menos ingênua, e nada atrapalhada. Mesmo sendo bastante discreta e precisar de uns momentos sozinha para recarregar as baterias após intensa interação social. Nesse ponto eu me identifico totalmente por ela, pois também sou assim.

Romântico, e até mesmo um pouco clichê, Amor Verdadeiro na Livraria dos Corações Solitários tem o final que a gente espera e deseja, mas sem deixar de nos emocionar e sair da experiência literária mais leves e mais esperançosos com as coisas do mundo. Suspiros, borboletinhas no estômago e aquela vontadezinha de “quero mais um conto de fadas com final feliz, leve, descomplicado, como uma comédia romântica de sessão da tarde.

Vale a pena mencionar que Verity é fã de Carteirinha de Orgulho e Preconceito de Jane Austin, assim, o livro traz várias citações do clássico de maneira bem divertida e pertinente. O que Elizabeth Bennet faria…?

Fico me perguntando quando sairá o próximo livro e qual dos funcionários será o foco. Tom ou Nina? Não sei.. acho que o Tom… já tenho até algumas ideias a respeito dele que costuma ser tão reservado…

Então, se você busca uma leitura leve, gostos e  fluida, Amor Verdadeiro na Livraria dos Corações Solitários é uma ótima pedida. Vai te distrair sem se aprofundar muito em assuntos mais pesados.

Amor Verdadeiro na Livraria dos Corações Solitários, publicado pela Verus Editora, com tradução de Cecília Camargo Bartalotti, é o segundo livro da série A Livraria dos Corações Solitários.