Trono de Vidro: Reino de Cinzas, de Sarah J. Maas

Finalmente terminei de ler a série Trono de Vidro. Foram alguns anos acompanhando esta série linda, rica em detalhes, tramas, personagens e movimentações. Muitos plots twists de tirar o fôlego. No volume 6, o último da série, aquele que conclui a saga de Aelin Ashryver Galathynius, temos mais de 900 páginas. Muita, muita coisa mesmo acontece. Trono de Vidro: Reino de Cinzas foi uma leitura demorada, mas nem por isso menos agradável.

Trono de Vidro: Reino de Cinzas

De assassina de Adarlan a rainha de Terrassen, vemos Aelin comer o pão que o rei Valg amassou durante toda a saga. Mas, definitivamente, em Trono de Vidro: Reino de Cinzas é onde vemos ela sofrer ainda maiores torturas físicas e psicológicas, sendo forçada a chegar à maturidade exigida de uma rainha. Com apenas 20 anos de idade. e a força de caráter da personagem é tamanha que até nos esquecemos da idade dela. Mas a autora não nos deixa esquecer.

Se você não leu A Torre do Alvorecer eu recomendo fortemente que o faça. Vai permitir que você se conecte melhor com Yrene Towers, personagem de fundamental importância no encerramento da saga. Sarah J. Maas não dá ponto sem nó. Apesar de Trono de Vidro: Reino de Cinzas apresentar um bocado de barrigas, nos fazendo travar um pouco na leitura, ao nos aproximarmos do fim tudo encontra lugar e nenhuma ponta é deixada solta.

Justamente por ter tanto personagens, tantas tramas, em alguns momentos a história parece empacar. Como leitores, ficamos assim “Mas pra quê isso, meu Deus, me mostra logo o que aconteceu com a Aelin!!”. E essa reação é perfeitamente compreensível. Porém, vai na fé, que Sarah sabe bem o que está fazendo.

Confesso que Tiveram algumas coisas que me incomodaram muito durante a leitura. Como os ilimitados poderes de Dorian. Completamente OP (OverPower). Tanto que, em muitos momentos, o personagem parecia mais um recurso Deus Ex Machina. Isso porque ele trazia soluções meio fáceis demais para problemas impossíveis demais. Isso foi me desagradando, mas mantive a minha fé na habilidade da autora de escrever histórias magnificas e segui adiante. E ela não decepciona.

Trono de Vidro: Reino de Cinzas

Todos os personagens, sem exceção, tem importância na história como um todo. Todos contribuem para o desfecho e a derrota dos inimigos mais assustadores. Seja com atos pequenos que no momento em que ocorrem parecem insignificantes, quanto com atos grandiosos de puro sacrifício. E, por incrível que pareça, são nos atos mais simples que encontramos as mais tocantes histórias.

O livro de 931 páginas me causou ansiedade, angústia, alguns momentos de tristeza e outros de pura alegria. A trajetória de Aelin e sua corte emociona. São tantos os personagens impressionantes e admiráveis que fica difícil citá-los aqui sem fazer injustiça. O que posso dizer é: se você acompanha a série Trono de Vidro, leia o volume de encerramento da saga. É longo, pode ser que dê preguiça, mas vale muito a pena ver como se encerra essa história magnifica. Aproveita a quarentena e se joga nos livros de Sarah J. Maas. 😉

Trono de Vidro: Reino de Cinzas é uma publicação da Editora Galera Record, com tradução de Mariana Kohnert

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *