Papo sério: O Prêmio da Música Brasileira e a situação complicada da cultura no Brasil

Eu não gosto de falar sobre política. Quem visita meu blog e quem me conhece sabe que eu prefiro falar de coisas suaves e felizes. Espalhar amor, luz, alegria e motivação. Não é uma questão de ser fútil ou superficial, a questão toda aqui é que estamos cada vez mais amargos e sombrios e isso não é nada bom. Estamos enveredando um caminho repleto de negatividade, reclamações, briga e confusões. O Facebook já deixou de ser o muro virtual das lamentações para se tornar o muro das brigas e confusões. Tá chato.

Prêmio da Música Brasileira

Eu fiquei super feliz quando recebi o convite de amigos queridos para ir ao 28º Prêmio da Música Brasileira. É música e quem não ama música só pode ser ruim da cabeça ou doente do pé. Me arrumei, me maquiei, fui com os olhos brilhando de uma criança prestes a entrar em um parque de diversões. Sou apaixonada pelo Theatro Municipal, aquilo lá é uma lindeza só. Fui bailarina também, assim como minha mãe foi (ela inclusive aprendeu balé quando criança lá mesmo no Theatro), então ir ao Theatro Municipal, independente da exibição é um evento lindo pra mim. Além disso o homenageado da noite era ninguém menos que o maravilhoso Ney Matogrosso. Gente, como não ficar feliz da vida?

Prêmio da Música Brasileira

O espetáculo foi lindo de viver. Abriu com Ney Matogrosso cantando uma de suas mais lindas canções “Melodia Sentimental“. O que veio a seguir foi Zélia Duncan (responsável pelo roteiro) e Maitê Proença contando um pouco da trajetória de Ney, intercalando sempre as entregas dos prêmios e números musicais. Diversos artistas cantaram as músicas do homenageado da noite. Ivete Sangalo cantou “Sangue Latino“, Chico BuarqueAs Vitrines“(alguém gritou Fora Temer para ele),  Alice Caymmi e Laila GarinBomba H” (com direito a beijo entre as duas ao fim da música), Lenine  cantou “Bicho de Sete Cabeças II“, Pedro Luís O Mundo“, Karol Conka foi maravilhosa ao cantar “Homem com H” e BaianaSystem, uma banda que eu não conhecia, mas me deixou de queixo caído tocou “Inclassificáveis“.

Muitas coisas rolaram, como Elza Soares sendo aplaudida de pé pelo teatro inteiro ao receber seu prêmio, e Zeca Pagodinho recebendo seu prêmio e saindo do palco antes do tempo deixando todos pra trás. Mas o ponto alto mesmo foi o encerramento com Ney Matogrosso nos presenteando com sua super potente voz, ao cantar mais 4 de seus sucessos. Me arrepiei e cantei junto quando ele entoou lindamente o hino “Balada do Louco“.

Foi lindo. Foi divertido e emocionante. E Ney merecia muito mais. Engraçado ver que como aquele artista sempre contestador, dono da terceira maior voz brasileira de todos os tempos, um verdadeiro showman extremamente versátil (cantor, diretor, ator, iluminador de espetáculos e por aí vai), se mostrou tímido ao agradecer a homenagem. Foi aplaudido de pé, claro.

Prêmio da Música Brasileira

Mas o  que me deixou verdadeiramente preocupada nada tem a ver com a beleza do espetáculo. Tem a ver com a falta de verba para realiza-lo. Os organizadores não receberam nenhum centavo sequer para realizar o prêmio.

Devido à falta de patrocínio, a festa teve pela primeira vez ingressos vendidos para o público. O idealizador do prêmio, José Maurício Machline fez um discurso emocionado logo no início sobre as dificuldades de montar a 28ª edição do prêmio. Prêmio este que só aconteceu devido a parcerias com fornecedores, artistas que participaram abrindo mão de seu cachê, e fazendo uma campanha nas redes sociais para promover o prêmio #VaiTerPrêmioDaMúsica. Graças aos esforços e ao amor pela arte que o Prêmio aconteceu.

A iluminação das apresentações estava lindíssima, aproveitando a própria beleza do teatro. As chamadas para cada prêmio eram vídeos dos artistas que aderiram à campanha. Vídeos feitos em qualquer lugar, com o celular mesmo, aproximando mais da nossa realidade. Nada de mega produção.  E o layout dos indicados no telão se assemelhava à parte de comentários do instagram. O prêmio foi simples, mas foi lindo. Deu conta do recado. Teve Prêmio da Música Sim. Já falei que foi lindo? =)

Prêmio da Música Brasileira

Mas é triste constatar o que já estava sendo feito há um tempo. A desvalorização da cultura e educação do nosso país. Se continuar assim, em breve não sobrará mais nada. Estou preocupada. Procuro manter a esperança de que dias melhores virão, mas ver o país indo de mal a pior me deixa assustada. Me dói o coração. Dá medo. Eu simplesmente amo todas as manifestações culturais e as considero primordiais para a vida. Me pergunto onde iremos parar…

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *