Ok Go, impressoras, muitos papeis e tintas.

Já ouviu falar da banda norte-americana de rock alternativo, a Ok Go?  Mas você já deve ter visto ao menos o último vídeo deles, aquele do painel de impressoras, não?

Ok Go

Isso mesmo, painel de impressoras. No último dia 24 de novembro a banda Ok Go divulgou o clipe da música “Obsession”. No vídeo, a banda usa 567 impressoras que vão imprimindo papéis coloridos conforme o ritmo da música.

Meu primeiro pensamento foi: “Meu Deus quanto desperdício de papel!! E Toda essa tinta gasta!” Mas antes mesmo da música começar um esclarecimento importante aparece, todo o papel foi reciclado e a renda arrecadada com o clipe foi destinada ao Greenpeace.

Ao saber disso eu fiquei aliviada, confesso, e só então consegui relaxar e assistir ao clipe numa boa, apreciando-o. Sim, parece uma propaganda da marca de papéis Double A, que patrocinou a produção do vídeo. Mas ainda assim, o vídeo é legal pra caramba!

O vídeo tem direção de Damian Kulash, Jr. (líder da banda) e Yusuke Tanaka. “Obsession” faz parte do mais recente álbum lançado pelo Ok Go, “Hungry Ghosts” e a faixa é sobre “como nossas mais intensas e complicadas emoções são também as mais simples e universais“. Palavras de Damian Kulash, líder da banda. E ainda acrescenta: “A obsessão é esmagadora e nos deixa perplexos, mas ao mesmo tempo é binária e básica – tudo está normal e, de repente, não está mais.” Ok, então.

Para quem não sabe a banda tem muitos vídeos legais e criativos. Misturando design e música. Dá só uma olhada:

Incrível como eles sincronizam tudo com perfeição e ao mesmo tempo a maioria dos elementos utilizados são simples, do nosso cotidiano. É fazer arte, música e design sem um monte de efeitos especiais excessivos. É bacana demais de ver a criatividade dos caras. E aí? Curtiu?

Mais artigos sobre design e música, clique aqui e aqui. =)

Papo sério: O Prêmio da Música Brasileira e a situação complicada da cultura no Brasil

Eu não gosto de falar sobre política. Quem visita meu blog e quem me conhece sabe que eu prefiro falar de coisas suaves e felizes. Espalhar amor, luz, alegria e motivação. Não é uma questão de ser fútil ou superficial, a questão toda aqui é que estamos cada vez mais amargos e sombrios e isso não é nada bom. Estamos enveredando um caminho repleto de negatividade, reclamações, briga e confusões. O Facebook já deixou de ser o muro virtual das lamentações para se tornar o muro das brigas e confusões. Tá chato.

Prêmio da Música Brasileira

Eu fiquei super feliz quando recebi o convite de amigos queridos para ir ao 28º Prêmio da Música Brasileira. É música e quem não ama música só pode ser ruim da cabeça ou doente do pé. Me arrumei, me maquiei, fui com os olhos brilhando de uma criança prestes a entrar em um parque de diversões. Sou apaixonada pelo Theatro Municipal, aquilo lá é uma lindeza só. Fui bailarina também, assim como minha mãe foi (ela inclusive aprendeu balé quando criança lá mesmo no Theatro), então ir ao Theatro Municipal, independente da exibição é um evento lindo pra mim. Além disso o homenageado da noite era ninguém menos que o maravilhoso Ney Matogrosso. Gente, como não ficar feliz da vida?

Prêmio da Música Brasileira

O espetáculo foi lindo de viver. Abriu com Ney Matogrosso cantando uma de suas mais lindas canções “Melodia Sentimental“. O que veio a seguir foi Zélia Duncan (responsável pelo roteiro) e Maitê Proença contando um pouco da trajetória de Ney, intercalando sempre as entregas dos prêmios e números musicais. Diversos artistas cantaram as músicas do homenageado da noite. Ivete Sangalo cantou “Sangue Latino“, Chico BuarqueAs Vitrines“(alguém gritou Fora Temer para ele),  Alice Caymmi e Laila GarinBomba H” (com direito a beijo entre as duas ao fim da música), Lenine  cantou “Bicho de Sete Cabeças II“, Pedro Luís O Mundo“, Karol Conka foi maravilhosa ao cantar “Homem com H” e BaianaSystem, uma banda que eu não conhecia, mas me deixou de queixo caído tocou “Inclassificáveis“.

Muitas coisas rolaram, como Elza Soares sendo aplaudida de pé pelo teatro inteiro ao receber seu prêmio, e Zeca Pagodinho recebendo seu prêmio e saindo do palco antes do tempo deixando todos pra trás. Mas o ponto alto mesmo foi o encerramento com Ney Matogrosso nos presenteando com sua super potente voz, ao cantar mais 4 de seus sucessos. Me arrepiei e cantei junto quando ele entoou lindamente o hino “Balada do Louco“.

Foi lindo. Foi divertido e emocionante. E Ney merecia muito mais. Engraçado ver que como aquele artista sempre contestador, dono da terceira maior voz brasileira de todos os tempos, um verdadeiro showman extremamente versátil (cantor, diretor, ator, iluminador de espetáculos e por aí vai), se mostrou tímido ao agradecer a homenagem. Foi aplaudido de pé, claro.

Prêmio da Música Brasileira

Mas o  que me deixou verdadeiramente preocupada nada tem a ver com a beleza do espetáculo. Tem a ver com a falta de verba para realiza-lo. Os organizadores não receberam nenhum centavo sequer para realizar o prêmio.

Devido à falta de patrocínio, a festa teve pela primeira vez ingressos vendidos para o público. O idealizador do prêmio, José Maurício Machline fez um discurso emocionado logo no início sobre as dificuldades de montar a 28ª edição do prêmio. Prêmio este que só aconteceu devido a parcerias com fornecedores, artistas que participaram abrindo mão de seu cachê, e fazendo uma campanha nas redes sociais para promover o prêmio #VaiTerPrêmioDaMúsica. Graças aos esforços e ao amor pela arte que o Prêmio aconteceu.

A iluminação das apresentações estava lindíssima, aproveitando a própria beleza do teatro. As chamadas para cada prêmio eram vídeos dos artistas que aderiram à campanha. Vídeos feitos em qualquer lugar, com o celular mesmo, aproximando mais da nossa realidade. Nada de mega produção.  E o layout dos indicados no telão se assemelhava à parte de comentários do instagram. O prêmio foi simples, mas foi lindo. Deu conta do recado. Teve Prêmio da Música Sim. Já falei que foi lindo? =)

Prêmio da Música Brasileira

Mas é triste constatar o que já estava sendo feito há um tempo. A desvalorização da cultura e educação do nosso país. Se continuar assim, em breve não sobrará mais nada. Estou preocupada. Procuro manter a esperança de que dias melhores virão, mas ver o país indo de mal a pior me deixa assustada. Me dói o coração. Dá medo. Eu simplesmente amo todas as manifestações culturais e as considero primordiais para a vida. Me pergunto onde iremos parar…

 

Design: Loog Guitars cria violões e guitarras para crianças

Quem nunca quis aprender a tocar guitarra quando criança? E até mesmo quando adultos, sabe o quanto é difícil aprender um instrumento de cordas. A não ser naqueles casos raros em que a pessoa já nasce com talento pra coisa e tudo parece ser fácil. Mas a realidade é que para meros mortais, aprender a tocar violão ou guitarra não é uma tarefa simples. Pensando nisso, a empresa Loog de New York desenvolveu uma linha de violões e guitarras para crianças e iniciantes.

Loog Guitars - violões e guitarras para crianças

A Loog Guitars tem dois modelos de guitarra: o Loog Pro e o Loog Mini. Estes instrumentos tem apenas 3 cordas, permitindo tocar qualquer música com os acordes mais básicos e facilitando o aprendizado de quem está iniciando no mundo da música. Juntamente com suas guitarras de 3 cordas, criaram cartõezinhos com acordes e um app para ajudar você ou seu filho (ou sobrinho, irmão mais novo, qualquer criança) a aprender imediatamente.

Loog Guitars - violões e guitarras para crianças

As Loog Guitars  possuem cordas de guitarra reais bem como a afinação. Sendo as cordas as três primeiras de uma guitarra padrão. Além de tudo, o fato de ter apenas três cordas, faz com que o braço da guitarra / violão seja mais fino, fazendo com que a criança não tenha tanta dificuldade de fazer os acordes com suas mãozinhas pequeninas.

A linha Loog Pro é direcionada para crianças com mais de 8 anos de idade (isso inclui qualquer adulto também que queira aprender, tipo eu e você hehehe). São modelos de violão acústico ou guitarra elétrica que possuem tudo o que os violões e guitarras normais possuem, como mão, tarraxas, casas, trastes, pontes, knobs, ponte e um captador. Prontas para tocar. Fora as várias opções de cores. Cada uma mais linda que a outra!

Loog Guitars - violões e guitarras para crianças

Loog Guitars - violões e guitarras para crianças

Loog Guitars - violões e guitarras para crianças

Já a linha Loog Mini é para crianças acima de 3 aninhos. Uma graça!  Projetadas para serem os primeiros violões da criança. Tem o mesmo tamanho de um ukulele, mas soa como um violão regular. Ele também vem com cartões de acordes e o app para ajudar no aprendizado da criança. Uma fofura né?

A empresa Loog Guitars está no mercado desde 2011, e começou como um projeto acadêmico do designer Rafael Atijas. Em março de 2011 a empresa foi lançada no mercado através do Kickstarter, um site direcionado ao incentivo de novas ideias, novos projetos. O bacana da Loog é sua paixão pela música combinada com design sustentável. Eles usam apenas madeira de florestas geridas de forma responsável e são comprometidos com padrões de qualidade e segurança que atendem as regulamentações governamentais.

Loog Guitars - violões e guitarras para crianças

Super bacana né?

Quer ver mais sobre Design? Dá uma olhada aqui. 😉