A Pequena Livraria dos Corações Solitários de Annie Darling

Esse é mais um livro dos que comprei pela capa. Sei que não se deve fazer isso, mas, como designer, é mais forte do que eu. Os tons suaves, as combinações de cores, dão uma ideia de leveza ao livro que traduz bem o tipo de história que encontramos nele. A Pequena Livraria dos Corações Solitários é como um bom filme de comédia romântica.

A pequena livraria dos corações solitários

Todos os elementos estão presentes: Posy Morland, a mocinha atrapalhada; Sebastian, o galã charmoso que não vale nada; os amigos da mocinha; o vilão; o toque sentimental; o drama; a perda; as reviravoltas e as confusões que uma falta de boa comunicação pode causar . Como os próprios personagens gostam de chamar, um verdadeiro Chick Lit, ou seja,”um gênero de ficção dentro da ficção feminina, que aborda as questões das mulheres modernas. Chick-Lits são romances leves, divertidos e charmosos, que são o retrato da mulher moderna, independente, culta e audaciosa”.

Posy Morland é uma jovem mulher que cresceu na livraria onde trabalha e onde seus pais trabalharam. É apaixonada por romances e sua vida é ler e fantasiar sobre histórias de amor mas sem nunca vive-las. Até aí, tudo bem, afinal cada um faz de sua vida o que achar melhor. Ela não estava infeliz assim. O negócio é que a dona da livraria, Lavínia, morreu e decidiu deixar a livraria para ela. O problema é que além da livraria estar praticamente falida, ela agora automaticamente viraria chefe de seus amigos.

Com a responsabilidade do emprego dos amigos nas costas, o medo de tudo dar errado e a possibilidade de perder não apenas a loja como sua própria casa (ela mora com o irmão no apartamento do andar de cima), Posy ainda precisa lidar com a presença indesejada e insistente de Sebastian, o neto da falecida Lavínia.

Sebastian é um cara lindo. Mas é ao mesmo tempo conhecido como o cara mais grosso de Londres. E faz jus à sua fama. O que tem de lindo ele tem de mala sem alça e não perde a oportunidade de perturbar Posy. Para ser sincera é justamente aí que me incomoda. Não pelo Sebastian, ele realmente é irritante. Mas pela Posy. Entendo que seja uma comédia romântica e tudo mais, mas o fato de ela ser tão atrapalhada e não conseguir reagir com ele que me incomodou bastante.

A pequena livraria dos corações solitários

Mas A Pequena Livraria dos Corações Solitários tem salvação. Posy passa um tempo fantasiando sobre Sebastian enquanto escreve um romance para extravasar a frustração que ele lhe causa. Os textos com toque cafona que ela escreve rende boas risadas. Quando Posy decide tomar as rédeas de sua vida, ela tem uma ideia bem bacana para tirar a livraria do buraco. E é claro que muitas coisas atrapalham esse percurso. Ainda que previsível, o plot twist é bem satisfatório, onde a autora resolve todas as pontas soltas e o que parecia ser uma coisa na verdade era outra.

Apesar de Posy ser completamente diferente se mim, em alguns pontos eu pude me identificar com ela. Cheguei a marcar alguns trechos onde ela fala dos pais e o que sua perda representa para ela.

A Pequena Livraria dos Corações Solitários  é uma leitura leve e divertida. Para pessoas que curtem romance como eu. Meu sonho era herdar uma livraria, seria fantástico. Então esse livro faz com que pessoas apaixonadas por livros como eu meio que se sintam em casa e sonhem não apenas em ter uma livraria como em também escrever mais e mais. No fim das contas vale a pena.

A Pequena Livraria dos Corações Solitários, publicado pela Verus Editora, com tradução de Cecília Camargo Bartalotti, é o primeiro livro da série A Livraria dos Corações Solitários. A série vai retratar a história de cada um dos funcionários da livraria que Posy herdou. Os amigos de Posy, um “alegre bando de desajustados” que por uma razão ou outra desistiram do amor e, ainda assim, o encontram quando menos esperam.

Outras resenhas de livros? Clique aqui 🙂

 

Resenha: Três Coroas Negras, Kendare Blake

Três Coroas Negras me chamou a atenção pela capa. Em um preto aveludado elegante, com três coroas dispostas verticalmente, cada uma delas com adornos diferentes, o livro definitivamente me despertou a curiosidade.

Três Coroas Negras

O livro traz a história de três irmãs gêmeas, Katherine, Mirabella e Arsinoe. Separadas umas das outras aos seis anos de idade, foram treinadas de acordo com seus talentos e educadas para odiarem umas às outras.

Katherine é a rainha envenenadora, Mirabella a rainha elemental e Arsinoe a rainha naturalista. Os envenenadores são os que têm a dádiva de serem habilidosos com venenos e imunes a eles. Os elementais são os que podem manipular os elementos. Por fim, os naturalistas são os que conseguem controlar os animais e fazer brotar e florescer as mais belas plantas.

Todas são dádivas concedidas pela Deusa, que a cada geração faz nascer da linhagem real trigêmeas cada uma abençoada com uma dessas dádivas. Porém o costume local é que apenas uma rainha pode governar. Por isso elas são separadas de sua mãe ao nascer e aos 6 anos de idade cada uma é levada para um local da ilha em que vivem de acordo com suas dádivas.

Três Coroas Negras

Quando separadas são treinadas e preparadas para que, aos 16 anos, no festival Beltane, elas mostrem os seus poderes para o povo e então começa o que a autora chama de “Ano da Ascenção“. A partir deste Beltane em especial, as três rainhas recebem a permissão de matarem umas às outras até que apenas uma sobreviva. A sobrevivente reinará. Cruel não é?

A ideia do livro Três Coroas Negras é bastante boa. Toda esta questão das três rainhas e suas dádivas especiais é bastante atrativa.

Cada capítulo do livro mostra uma rainha e o que está se passando com ela. A sua preparação para a festa de aniversário de 16 anos e a sua trajetória até o fatídico Beltane. Katherine, Arsinoe e Mirabella tem personalidades completamente diferentes, moldadas pela maneira como foram tratadas e o que lhes foi ensinado. A gente consegue às vezes sentir pena, as vezes torcer por uma, e, às vezes sentir raiva da outra, sem conseguir ter uma preferida por muito tempo.

Porém acredito sinceramente que a trajetória delas poderia ter sido melhor desenvolvida, dando mais profundidade à história de cada uma delas. É tudo meio raso, entende? Faltam explicações.

O bom de Três Coroas Negras é que é fácil é bem rápido de ler. O li em um final de semana. É uma leitura que prende e flui. A história é essencialmente feminina. Os personagens masculinos tem sua importância, mas são meramente coadjuvantes.

Há uma ênfase muito grande no romance entre Jules, a melhor amiga de Arsinoe e o amigo de ambas, Joseph. O romance até tem sua importância para o desenvolvimento final do livro, mas Arsinoe, uma personagem super interessante, acaba ficando em segundo plano.

O final surpreende, o que me deu esperanças de uma continuação que explique melhor o universo criado pela autora, a religião que leva uma rainha matar as outras e a origem de todos esses poderes impressionantes.  A conferir quando o próximo livro sair. Eu acho que pode vir a ser muito bom, espero não me decepcionar.

Três Coroas Negras

No final das contas vale a pena ler Três Coroas Negras. Mesmo que muitas coisas tenham ficado no ar, a sensação que dá é que a autora deixou o melhor pra depois e em doses homeopáticas. De qualquer maneira o livro entretém e dá pra ler bem rapidinho.

Editora Globo Alt, tradução de Alexandre D’Elia

Tenho outras resenhas e indicações de livros aqui. Vem dar uma olhada!

 

Resenha: A Livraria Mágica de Paris, de Nina George

Tem livros que simplesmente acontecem na sua vida. Como se você olhasse pra ele e ele te chamasse. O livro  A Livraria Mágica de Paris, da escritora alemã Nina George, fez isso comigo. E contrariando a antiga sabedoria popular de “não julgar o livro pela capa”, foi exatamente isso que fiz. Eu o vi, e o comprei, sem saber o que esperar dele. E para minha surpresa, ele era exatamente o que eu precisava ler.

A Livraria Mágica de Paris

Monsieur Perdu e seu barco-livraria

Quem já visitou Paris sabe que ao longo do rio Siena existem vários barcos. Alguns deles sempre ancorados. No livro, Monsieur Perdu é um homem de meia-idade dono de um desses barcos, onde ele mantém uma adorável livraria.

Sua Farmácia Literária, como é chamada sua livraria, e Perdu tem o talento de “prescrever” livros para todas as dificuldades da vida. Apesar de seu inegável talento de ler bem as pessoas, o livreiro de meia-idade trancou seus sentimentos junto com todas as coisas que o lembravam de sua amada em um quartinho de sua casa.

Algumas coisas acontecem e ele se vê obrigado a reabrir aquele quarto. Mais do que isso, ele se vê obrigado a ler a última carta que sua amada deixou e que ele sequer conseguiu abrir.

A Jornada de Monsieur Perdu

Depois de passar 20 anos trancado em si mesmo, sem jamais se permitir sentir alegria alguma na vida, ler esta carta faz tudo mudar.

A Livraria Mágica de Paris

Perdu (que significa perdido em francês) se dá conta do mal que fez em simplesmente deixar de viver todos esses anos. Com a intenção de fazer as pazes com o passado e consigo mesmo, ele parte em uma viagem surpreendente com seu barco em direção ao sul da França.

Inesperadamente, um jovem e famoso escritor decide viajar com Perdu, e no caminho ambos desenvolvem uma valiosa amizade. Ambos conhecem várias pessoas ao longo de sua jornada, e a troca que se dá é muito rica. Cada personagem tem sua própria história, e Perdu vai ajudando quem vai surgindo pelo caminho.

Porque me encantei com A Livraria Mágica de Paris

Quando comprei o livro foi muito pela intuição. Olhei a capa e senti que ele seria leve e alegre. Não estava enganada, mas o que o livro me proporcionou foi muito além do que simples horas de diversão.

O livro trata de uma maneira delicada e poética a difícil superação de um luto. Todo o livro traz trechos memoráveis sobre o amor, sobre a amizade e sobre a importância de se permitir viver e sentir apesar das perdas. Mostra como família podem ser os amigos que fazemos pelo caminho.

E de quebra, quem ama livros, vai se apaixonar pela maneira como esta obra é uma verdadeira declaração de amor à eles. Fiquei com vontade de ter uma livraria para vocês terem uma ideia. E com vontade de voltar à França também.

Como vocês podem perceber, é um livro mais voltado para o público adulto. Uma aventura diferente, mas cheia de significado. Uma obra tocante. Se Monsieur Perdu existisse de verdade, certamente recomendaria este livro para as dores da alma.

A Livraria Mágica de Paris

A Livraria Mágica de Paris é publicado pela Editora Record, e a tradução é de Petê Rissatti. 🙂

Ah! No final do livro tem receitas da Provence e uma lista com todos os livros citados na obra e para que seriam prescritos. Fofo né?

Quer mais resenhas? Dê uma olhada aqui. 😉