Resenha: A Livraria Mágica de Paris, de Nina George

Tem livros que simplesmente acontecem na sua vida. Como se você olhasse pra ele e ele te chamasse. O livro  A Livraria Mágica de Paris, da escritora alemã Nina George, fez isso comigo. E contrariando a antiga sabedoria popular de “não julgar o livro pela capa”, foi exatamente isso que fiz. Eu o vi, e o comprei, sem saber o que esperar dele. E para minha surpresa, ele era exatamente o que eu precisava ler.

A Livraria Mágica de Paris

Monsieur Perdu e seu barco-livraria

Quem já visitou Paris sabe que ao longo do rio Siena existem vários barcos. Alguns deles sempre ancorados. No livro, Monsieur Perdu é um homem de meia-idade dono de um desses barcos, onde ele mantém uma adorável livraria.

Sua Farmácia Literária, como é chamada sua livraria, e Perdu tem o talento de “prescrever” livros para todas as dificuldades da vida. Apesar de seu inegável talento de ler bem as pessoas, o livreiro de meia-idade trancou seus sentimentos junto com todas as coisas que o lembravam de sua amada em um quartinho de sua casa.

Algumas coisas acontecem e ele se vê obrigado a reabrir aquele quarto. Mais do que isso, ele se vê obrigado a ler a última carta que sua amada deixou e que ele sequer conseguiu abrir.

A Jornada de Monsieur Perdu

Depois de passar 20 anos trancado em si mesmo, sem jamais se permitir sentir alegria alguma na vida, ler esta carta faz tudo mudar.

A Livraria Mágica de Paris

Perdu (que significa perdido em francês) se dá conta do mal que fez em simplesmente deixar de viver todos esses anos. Com a intenção de fazer as pazes com o passado e consigo mesmo, ele parte em uma viagem surpreendente com seu barco em direção ao sul da França.

Inesperadamente, um jovem e famoso escritor decide viajar com Perdu, e no caminho ambos desenvolvem uma valiosa amizade. Ambos conhecem várias pessoas ao longo de sua jornada, e a troca que se dá é muito rica. Cada personagem tem sua própria história, e Perdu vai ajudando quem vai surgindo pelo caminho.

Porque me encantei com A Livraria Mágica de Paris

Quando comprei o livro foi muito pela intuição. Olhei a capa e senti que ele seria leve e alegre. Não estava enganada, mas o que o livro me proporcionou foi muito além do que simples horas de diversão.

O livro trata de uma maneira delicada e poética a difícil superação de um luto. Todo o livro traz trechos memoráveis sobre o amor, sobre a amizade e sobre a importância de se permitir viver e sentir apesar das perdas. Mostra como família podem ser os amigos que fazemos pelo caminho.

E de quebra, quem ama livros, vai se apaixonar pela maneira como esta obra é uma verdadeira declaração de amor à eles. Fiquei com vontade de ter uma livraria para vocês terem uma ideia. E com vontade de voltar à França também.

Como vocês podem perceber, é um livro mais voltado para o público adulto. Uma aventura diferente, mas cheia de significado. Uma obra tocante. Se Monsieur Perdu existisse de verdade, certamente recomendaria este livro para as dores da alma.

A Livraria Mágica de Paris

A Livraria Mágica de Paris é publicado pela Editora Record, e a tradução é de Petê Rissatti. 🙂

Ah! No final do livro tem receitas da Provence e uma lista com todos os livros citados na obra e para que seriam prescritos. Fofo né?

Quer mais resenhas? Dê uma olhada aqui. 😉

Resenha: Wicked Lovely, de Melissa Marr

Eu tenho uma sorte incrível no eu diz respeito a indicações de livros. E Wicked Lovely de Melissa Marr é mais uma série de livros que me foi indicada pela minha amiga Lilian Raquel. Ela havia começado o primeiro livro, gostou, me indicou e lemos toda a série juntas. A série conta com 5 livros, e cada um deles é recheado de personagens ricos e bem construídos. Quando você acha que já tem um personagem favorito, aparece outro que acaba deixando a escolha difícil. Mas, afinal, por que eu deveria escolher apenas 1 personagem favorito, não é mesmo? Vamos a eles.

Wicked Lovely

Terrível Encanto – Wicked Lovely

O primeiro livro, chamado Terrível Encanto, nos apresenta a personagem principal Aislinn. Ash (como é chamada por seus amigos) é uma jovem no final de sua adolescência que possui um dom especial passado de geração em geração pelas mulheres de sua família: ela tem a Visão. Este dom permite que ela perceba os seres encantados que circulam entre os humanos, invisíveis para a maioria dos mortais.

Porém, no universo criado por Melissa Marr, os seres encantados não são necessariamente fofinhos e bondosos. Eles podem ser extremamente perversos e egoístas, a ponto de machucarem as pessoas de propósito. Por isso, sua avó lhe advertiu e lhe seu três regras básicas: Não encare as criaturas invisíveis; Não responda a criaturas mágicas invisíveis; Nunca desperte a atenção dos seres mágicos.

Wicked Lovely

Já dá pra ver que o enredo é bastante peculiar, não é mesmo? E é claro que as complicações na vida de Ash começam em seguida, quando um ser encantado chamado Keenan começa a segui-la com ajuda de sua companheira Donia. Keenan nada mais é do que o Rei do Verão e há tempos vem procurando aquela que se tornará sua rainha. Tudo seria fácil e bonito se fosse simples assim. Porém Ash é apaixonada pelo mortal Seth e ele por ela. E Keenan, apesar de ter sentimentos por Donia, se preocupa com seu povo – a Corte do Verão – e quer de todas as maneiras que Aislinn se apaixone por ele, já que se não conseguir encontrar sua rainha, o verão deixará de existir. A grande vilã do primeiro livro é Beira, mãe de Keenan e rainha do inverno, que vai fazer de tudo para impedir que seu filho se una a Ash.

Tinta Perigosa – Wicked Lovely

O segundo livro intitulado Tinta Perigosa, tem como protagonista Leslie, a melhor amiga de Aislinn. No primeiro livro Leslie aparece muito rapidamente, mas é no segundo livro que conhecemos a profundidade e complexidade da personagem.

Tinta Perigosa tem uma pegada mais pesada, digamos assim. Nele, a autora nos apresenta a Corte Sombria, um grupo de seres encantados que se alimenta das emoções humanas. Leslie é uma mortal tem um irmão viciado em drogas que a entrega para seus traficantes para ser abusada. Leslie é uma personagem forte, marcada pelo horror de não estar segura nem em sua própria casa e acaba sendo alvo da Corte Sombria, que a atrai através de um estúdio de tatuagem. A tatuagem que ela escolhe não é nada convencional e acaba fazendo com que ela se ligue para sempre ao mundo dos seres encantados desconhecidos por ela até então.

É muito interessante ver o desenvolvimento de Leslie nesta trágica trajetória. Ela vai se tornando cada vez mais forte e determinada, enquanto há dois seres encantados se interessando e se apaixonando por ela. O livro repete a fórmula de triangulo amoroso do primeiro, porém com outros personagens e de maneira mais profunda. Leslie, Irial (rei da Corte Sombria) e Niall (originalmente membro da Corte Sombria, mas que passa a ser conselheiro de Keenan) integram este triangulo amoroso complicado.

Com Tinta Perigosa vai ficando mais claro que os livros desta série de Melissa Marr não são nada bobinhos. Abordam temas importantes da juventude como virgindade, drogas, estupro e violência doméstica, apresentando personagens femininas fortes que se mostram capazes de lutar contra as piores coisas da vida. Muitos fãs da série consideram este o melhor livro, e não é à toa. Todos os personagens da série não são nem 100% bons e nem 100% ruins. Mesmo os seres encantados tem muito de humanidade neles, falhas e qualidades.

Frágil Eternidade – Wicked Lovely

O terceiro livro se chama Frágil Eternidade e é focado em Seth, o amor de Aislinn. A agora Rainha do Verão continua apaixonada por seu namorado Seth, mas não pode tocá-lo.  Seth, por ser mortal, sabe que a recém adquirida imortalidade de Ash pode separá-los o que o faz buscar uma maneira de solucionar isso, indo parar no mundo das fadas.

Wicked Lovely

É neste livro que conhecemos Sorcha, a Rainha da Alta Corte dos seres encantados.  Seu reino é magico e todo moldado à sua vontade. Ela acolhe Seth quase como uma mãe, mas impõe condições para dar o que ele deseja. Alguns outros personagens importantes para a trama são apresentados, e é importante ter em mente que nada na série Wicked Lovely é por acaso. Sorcha teria sido a primeira fada a aparecer no mundo junto com sua irmã Bannanach. Por divergências de opinião, se separam, e Sorcha passa a governar os seres encantados sozinha, enquanto Banannach é sedenta por guerra.

Enquanto Seth busca a imortalidade para poder ficar com Aislinn, Keenan, mesmo amando Donia, ainda quer conquistar Aislinn para si. Não basta que ela tenha aceitado se tornar a Rainha do Verão, mas ela precisaria se entregar a ele por inteiro. Keenan se mostra extremamente manipulador e egoísta, o que deixa os leitores com raiva dele.

Sombras Radiantes – Wicked Lovely

No quarto livroSombras Radiantes, o foco passa a ser Devlin, um ser encantado criado a partir da essência da união entre as irmãs Sorcha e Bannanach. Sendo então uma espécie de filho/irmão das matriarcas dos seres encantados. Ele é uma mistura de Razão (Sorcha) e Caos (Bannanach), mas quando as irmãs se separam ele decide continuar servindo Sorcha.

Em um determinado momento no passado, Devlin não cumpre uma das ordens dadas por Sorcha e  é isso que faz desencadear os eventos deste livro. Ani, uma garota que ele deveria ter matado quando ainda era bebê mas não o fez, cruza o seu caminho novamente e esse evento muda tudo no mundo encantado. Aqui começa a se desenhar melhor a guerra que está por vir no livro 5.

Sombrio Perdão – Wicked Lovely

O quinto e último livro da série traz o desfecho de toda essa trama. O Rei do Verão está desaparecido, Irial, Rei da Corte Sombria está gravemente ferido, Aislinn tenta encontrar Keenan ainda estando apaixonada por Seth. Tudo está um verdadeiro caos como Banannach – a personificação da Guerra  – planejava e ela está pronta para o derradeiro ataque. É neste momento que as Cortes Sombria, do Inverno e do Verão precisam deixar suas diferenças de lado e se unir para se defender do ataque que se aproxima.

Posso dizer, sem medo, que o quinto livro encerra a série com chave de ouro. Melissa Marr consegue resolver todos os problemas que foram surgindo na vida dos personagens sem deixar pontas soltas. É muito interessante ver que a cada livro a autora amadurece em sua forma de escrever junto com os personagens, trazendo histórias bastante inovadoras para o gênero de fantasia.

Wicked Lovely

Não é uma série de livros extremamente famosa, mas quem já leu, sabe a perola que tem em mãos. Todos os personagens, sem exceção (sejam homens, mulheres, ou seres encantados), são fortes e de uma riqueza de personalidade e background impressionantes.

Os livros foram publicados no Brasil pela Editora Rocco Jovens Leitores e traduzido por Maria Beatriz Branquinho da Costa.

Quem já leu, deixe sua opinião aqui nos comentários. Quem não leu, depois me contem o que acharam!

Beijos e até a próxima 😉

E Trono de Vidro, já leu? Não conhece? Dá uma olhada nesta resenha!

Wynonna Earp – Uma mistura de velho oeste com Supernatural

Vocês já devem ter visto que no serviço de streaming mais querido do Brasil, a Netflix (“a” sim porque ela é menina!) tem uma série chamada Wynonna Earp. A série foi lançada mês passado, caso não tenha visto ela por lá, dá uma procurada que você vai achar.

Série Wynonna Earp

Comecei a assistir meio quando estava muito de bobeira para ver se era boa, ou se era tão ruim quanto Van Helsing (descula Vanessa Helsign, mas pra mim não rolou, talvez eu tente de novo depois). E não é que eu gostei? Gostei bastante até!

Não vou dizer que a série é perfeita, porém vem pra divertir e dá conta do recado direitinho.

Quem é Wynonna Earp?

Wynonna Earp é a bisneta do lendário xerife Wyatt Earp. A personagem é fictícia criada para os quadrinhos (HQs de Beau Smith), porém Wyatt Earp existiu de verdade.

Série Wynonna Earp

Wyatt Earp é mais conhecido como um temido xerife do velho oeste que trabalhou nas cidades de Wichita e Dodge City, no Kansas, e em Tombstone, Arizona, onde sobreviveu ao tiroteio do Curral OK  junto com Doc Holliday (presta atenção nesse nome). Esse tiroteio é um dos mais famosos do velho oeste. Wyatt Eartp era famoso por sua célebre frase: “Eu sou a lei e isso acaba aqui”.

Na série da emissora Syfy , Wynonna é uma jovem mulher moderna que, devido à morte de um tio, está voltando para sua cidade natal chamada Purgatório. Até aí tudo bem. Se não fosse o fato de que, por estar completando 27 anos, a herdeira mais velha dos Earp ativa a maldição de sua família.

A maldição consiste basicamente no retorno de todos os bandidos executados pelo bisavô de Wynonna Earp retornam ao mundo dos vivos a cada 27 anos como demônios. E o dever do herdeiro Earp é caçá-los e mandá-los de volta para o inferno.

A Wynonna vivida por Melanie Scrofano é sarcástica, independente, não perde tempo com “mimimis” e está longe de ser frágil. É ela que tem também as tiradas mais engraçadas da série. Gosto da personalidade dela. Mesmo nos piores momentos ela encontra uma força sabe Deus lá de onde e dá a volta por cima. Quero ser igual à ela quando crescer.

Mesmo se sentindo atraída por Doc Holliday (Tim Rozon) e pelo  Agente Dolls (Shamier Anderson) ao mesmo tempo, romance está longe de ser uma de suas preocupações. Ela não está interessada em se firmar com ninguém, tem objetivos maiores que esses. Mas lógico que se diverte quando pode. E sim, Doc Holliday é o mesmo do tempo do seu bisavô.

Série Wynonna Earp
Wynonna e Agente Dolls
Série Wynonna Earp
Wynonna e Doc
Série Wynonna Earp
Wynonna entre seus dois amores: Doc Holliday e Agente Dolls
“Make your peace”

Para poder mandar esses demônios de volta para o lugar de onde vieram, Wynonna precisa contar com a ajuda da Peace Maker, a pistola que herdou de seu bisavô. A frase escolhida pela heroína – com um passado super conturbado, o qual ela luta para superar e, obviamente, os demônios tentarão tirar vantagem disso – é “Make your peace”, bordão que ela usa toda vez que vai dar um tiro na testa de um demônio.

Série Wynonna Earp
“Make your peace”

Os demônios voltam imediatamente para o inferno. Nesse momento o chão se abre, e é até engraçado de ver. Talvez eles devessem trabalhar melhor nos efeitos especiais desses momentos, mas isso foi realmente a única coisa que me incomodou na série.

Mal comparando, podemos fazer uma correlação com a série Supernatural (que eu amo, aliás), por sua pegada cômica e temática sobrenatural. Porém, ao invés de dois irmão como caçadores de demônios, temos duas irmãs: Wynonna e sua irmã mais nova nerdzinha Waverly (vivida por Dominique Provost-Chalkley). Apesar de Waverly ajudar a irmã, a personagem tem um arco totalmente seu, à parte.

Série Wynonna Earp
Dolls, Wynonna e Waverly tentando desvendar um caso.

Todos os personagens apresentam um certo mistério. É legal ir descobrindo aos poucos quem é quem e o porque de estarem fazendo o que estão fazendo. Eu acabei gostando bastante da série que me surpreendeu em vários aspectos. Ah, e o que não falta é representatividade. Estou ansiosa pela segunda temporada que já foi confirmada. Gostei também do figurino da série. Cada personagem tem estilo diferente que condir perfeitamente com sua personalidade. Eu adorei especialmente o estilo de Wynonna com o qual me identifico muitas vezes.  Quem me segue no instagram sabe que eu adoro uma jaqueta e curto um rock n’ roll (sem deixar de ser feminina, claro ;))

Se você gosta dessa temática, dê uma chance a série. Você vai, no mínimo, se divertir. 🙂

Deixo vocês com o trailer da primeira temporada e com a música do tema de abertura.

Tá sem ter o que fazer no final de semana? Essa é uma dica. Tem mais dicas de filmes e séries aqui.

Todas as fotos são do site da série 😉