Iron Maiden exibirá seu novo DVD gratuitamente para os fãs online

Iron Maiden é minha banda do coração desde que me entendo por gente praticamente. Me tornei fã da banda por influência do meu irmão quando éramos pré-adolescentes. Então acho que sou fã do Iron Maiden desde mais ou menos os meus 11 anos de idade. E olha, isso tem muito tempo. Não vou nem contar pra vocês quanto tempo é. Combinado? Então tá bom.

Iron Maiden

Mas o importante é o seguinte: a banda de metal mais maravilhosa de todos os tempos –  composta por Steve Harris, Dave Murray, Adrian Smith, Bruce Dickinson, Nicko McBrain e Janick Gers – simplesmente vai lançar seu novo DVD online no YouTube gratuitamente para os fãs.

O lançamento vai acontecer numa live no próximo sábado, dia 11 de novembro, por volta das 17h, horário de Brasília. O legal é entrar la no youtube e assinar o canal deles ativando a notificação para não perder a hora que o evento começar.

Na nota que o Iron Maiden publicou em seu site eles anunciam o evento como uma forma de agradecimento aos fãs: “Como um agradecimento à lealdade de todos os fãs ao redor do mundo estaremos transmitindo gratuitamente o show completo. Pegue algumas cervejas, ligue as suas melhores caixas de som e aproveite a ‘The Book Of Souls World Tour’ no conforto do seu próprio sofá” – Eles são ou não são a banda mais querida desse mundo?

Sim, eles são bem conhecidos por serem carinhosos e agradecidos aos fãs. Ao ponto de serem gratos aos que compartilham suas músicas de maneira, digamos, ilegal (pirataria mesmo), pois dizem que são esses os maiores  responsáveis pela divulgação de seu trabalho.

Iron Maiden

Se você não conhece a banda (em que planeta você vive? hahaha brincadeira), deveria conhecer. É metal sim, mas é um metal melódico e as letras são épicas baseadas em fatos históricos. Inclusive, titio Bruce além de ser piloto de avião – pilotando o avião da banda quando estão em turnê e trabalhando em uma companhia aérea britânica quando não está fazendo música – ele também é historiador formado e recebeu um doutorado honorário em Música.

Enquanto isso Steve Harris, o baixista e produtor (líder da banda) foi eleito o melhor baixista do mundo em 2017 pelo Loudwire Music Awards. 

Bom, eu sou suspeita. Sou muito fã do Iron Maiden, de verdade. Por isso precisei divulgar essa oportunidade de ver o trabalho deles gratuitamente no youtube.  Que tipo de música vocês gostam? Contem pra mim!

Enfim, se está sem programa para sábado e for fã do Maiden, fica aí a dica hahahah

Beijos e Up the Irons!

Sororidade: e se parássemos de ver outras mulheres como rivais?

Você já ouviu a palavra Sororidade? Sabe o que significa? Senta aqui que eu vou te explicar.

Sororidade

 

Que história é essa de Sororidade?

Então, sabe aquela sua amiga pro que der e vier? Aquela que você não julga e nem julga você. Aquela que você ouve, aconselha e apoia? E ela que faz o mesmo por você. Aquela que você dá bronca também quando ela tá precisando ouvir, mas oferece colo sempre que ela precisar? Uma irmã, não de sangue, mas de alma. É bom ter alguém assim né? Eu acho essencial pra minha vida. Essa amizade sem julgamentos, essa união, essa empatia, essa solidariedade,  são alguns princípios da sororidade.

“A origem da palavra sororidade está no latim sóror, que significa “irmãs”. Este termo pode ser considerado a versão feminina da fraternidade, que se originou a partir do prefixo frater, que quer dizer “irmão”

Em outras palavras, a sororidade é um sentimento de união entre mulheres, baseado na empatia e companheirismo. É olhar para outra mulher, mesmo que desconhecida e reconhecer uma igual, não uma rival. Sem pré-julgamentos sabe? Alguém que, como você, passou por diversas dificuldades e que às vezes precisa de uma mão estendida.

Mas por que brigamos tanto?

Mas que cultura é essa que temos em que automaticamente vemos outras mulheres como nossas rivais?  Já parou pra pensar nisso? Quantas vezes já vimos uma mulher bem-sucedida, bonita e inteligente, sem sentir inveja, sem se sentir inferior, sem tentar diminuí-la? Que necessidade é essa que temos de rivalizar?

Sororidade
Quem nunca invejou Gisele?

Fazendo uma análise assim, bastante superficialmente, posso dizer que historicamente, por muito tempo, nós mulheres fomos incentivadas a sempre tentarmos de todas as maneiras sermos melhores do que as outras. Quando não havia nada mais para a mulher além de conseguir um bom partido, casar e ter filhos, todas as outras mulheres eram vistas como potenciais ameaças. Depois, namorando ou até mesmo casadas, todas as outras mulheres soleiras ou não, eram vistas como potenciais amantes dos maridos e destruidoras de lares. E por aí vai. Inadmissível uma outra mulher ser mais bonita que nós, mais alta, mais jovem, mais inteligente, e Deus-me-livre se for mais magra.

Se você está solteira, é vista como inferior por quem está casada. Se está casada é vista como inferior por quem é casada e já tem um filho. Se você é casada e tem um filho é vista como inferior por quem tem dois filhos. Se tem dois filhos, a que tem três se acha melhor.  E as comparações não param por aí.

Temos que ser lindas e impecáveis. Lindas, com um bom emprego, ganhar bem, ao mesmo tempo ter a casa limpa, saber cozinhar, ter tempo para os filhos, ir à academia, comer de maneira saudável, exibir um corpo magro, uma pele jovem, cabelos bem cortados, roupas modernas e impecáveis e ainda satisfazer o marido (né, Deborah Secco?) Ufa, coisa de doido!

Para pra analisar… tudo isso por causa de homem? Mas que loucura é essa? Gente do céu, homem é pra ser nosso companheiro, fazer parte do nosso time, nosso parceiro e amigo. Tem que estar no mesmo patamar que a gente. Lado a lado.  E não uma espécie de rei, um ser superior que precisa estar sempre satisfeito para não olhar pro lado. Eles não são superiores e nem inferiores a nós. São humanos como nós. Agora, se um cara olha pra outra a culpa é dele mesmo que é safado. Que não te ama de verdade e não é teu parceiro. Já passou da hora da gente esquecer esses preceitos machistas tão arraigados em nossa cultura e educação hein?

E se…

 

E se… e se ao invés de rivalizarmos umas com as outras nessa competição fútil, vazia e sem sentido, nós começássemos a conversar?  Abrir espaço para conhecermos umas às outras. Sentar pra tomar um café, contar os problemas, dividir experiências, oferecer o ombro amigo e aconselhar no que for possível? Um abraço, um afago, secar as lágrimas umas das outras. E nos apoiarmos mutuamente para nos reerguermos mais fortes.

Sororidade

Sem essa de:
– “Ah, você está gripada? Eu estou morrendo de cólica, é pior.” (Competição contraproducente não acha?)
– “Ah você não tem tempo de cozinhar quando você chega em casa? Minha filha também trabalha e consegue, você que é preguiçosa!”(oi?)
– “O que? Você está fazendo dieta? E eu que estou correndo 8 km por dia em meia hora, comendo só frutas e passando 5 horas na academia?” (Olha a competição desnecessária de novo, só faz com que a outra se sinta pior!)
-“Você perdeu sua mãe? Pelo menos você teve mãe. E eu que perdi minha vó que mal conheci?” (de novo.. oi??)
-“Você  conheceu Paris mês passado? Ahh eu conheci a Suíça ano passado, bem melhor!” (mais competição… affe… não dá pra ficar feliz pela amiga?)

Sério, não seja essa pessoa, por favor!

Sem essa de mandar indiretas nas redes sociais. Eu vi coisas tipo “Calma, você não é tudo isso” em uma imagem de instagram. Fiquei abismada com essa necessidade de muitas mulheres de postar esse tipo de coisa pra diminuir as outras. E pra que? Calma, ela é tudo isso sim. E você também é! Sou a favor de incentivarmos sempre umas às outras. Pois somos tão maravilhosas, temos tanto potencial, que se nos unirmos mudamos esse mundo todinho pra melhor. Pode apostar!

Sério, vamos ser amigas?

Sim! Sejamos amigas! Vamos conversar, trocar experiências. Vamos olhar umas para as outras e imaginar que, mesmo vivendo vidas diferentes, temos desafios parecidos. Cada uma com suas histórias, cada uma com suas tragédias, no fim, ninguém é melhor de que ninguém.

Sejamos empáticas. Aprendamos a nos colocar uma no lugar da outra. Aprendamos a oferecer apoio, seja como for. Seja criando um ambiente seguro e sem julgamentos para desabafos. Seja ajudando com uma carona pra ir buscar o filho na escola. Seja dando um abraço sincero. Seja em uma palavra de carinho. Seja consolando e tentando acalmar em um momento de nervosismo e desespero. Qual de nós nunca se sentiu sozinha e desesperada? Será que essa rivalidade toda não está fazendo com que fechemos os olhos para as ofertas de amizade ao nosso redor? Será que não andamos tão desconfiadas a ponto de achar que ninguém presta e nos fechando para o bem que alguém tem a oferecer?

Sororidade

Nem todo mundo é mau-caráter. Nem todo mundo vai te abandonar quando você precisar. Óbvio que devemos tomar cuidado pois há gente ruim e mal intencionada não importa o sexo. Mas há muita gente boa também. Precisamos prestar atenção na mensagem que estamos enviando ao mundo. Será que é tão difícil assim nos abrirmos para amizades gratuitas?

Sejamos irmãs. <3

BlizzCon 2017 – os anúncios de ontem que me fizeram arrepiar de emoção!

Oi gente!! O segundo post da semana demorou mas saiu! E só saiu hoje por motivos de BlizzCon 2017 que começou ontem lá na Califórnia! Eu estou acompanhando tudo online, graças ao meu ticket virtual (opção pra quem não pôde comparecer pessoalmente).

BlizzCon 2017 - WoW

Lembra que eu disse aqui o quanto eu amo o game WoW da Blizzard? Até falei que o evento aconteceria agora dia 3 e 4 de novembro. Pois é, ele começou trazendo novidades dos diversos jogos da empresa, e, apesar de eu gostar de outros games deles também, meu interesse está focado em World of Warcraft. Chorei de emoção ao ver os anúncios da próxima expansão e morri de vontade de estar lá pessoalmente sentindo toda aquela energia. É incrível como uma comunidade unida por um amor em comum pode ter uma energia tão boa.

Mas vamos aos anúncios que mais me emocionaram!

Para coisas mais técnicas e mais detalhes, acessem o WoWGirl, lá tem tudo detalhadinho e as meninas arrasam!

Depois de passarmos algumas expansões lutando para salvar o amado planeta Azeroth, depois de expurgamos a Legião Ardente do nosso planeta, a rivalidade entre Aliança e Horda volta a ser o centro de nossas atenções. Jaina Proudmoore se mandou para sua terra natal logo no início de Legion, 100% putaça com as traições da Horda como nunca vimos antes. Não sabíamos o que ela andava fazendo, mas ela ressurge boladona dizendo: acabou a brincadeira, agora é guerra! Essa será a premissa de World of Warcraft: Battle for Azeroth.

Não sabemos o que realmente vai acontecer, mas como elfa noturna, membro da Aliança (Pela Aliança!!), meu coração doeu ao ver minha amada Teldrassil queimar. O que será que levou Sylvannas a um ato tão cruel? Será que a provocamos primeiro? Disseram na BlizzCon 2017 que a Undercity havia sido atacada pela Aliança, mas não se sabe quem começou primeiro. Não sei o que pensar, mas dá uma olhada nesse cinematics maravilhoso (saca só a perfeição na pele e cabelos dos personagens, parece até filme!!)

Sylvannas virando banshee e gritando “Pela Horda!” é de arrepiar, mas rei Anduin tomando as rédeas de sua vida, e invocando os poderes de priest dos céus para salvar seus soldados não deixa nada a desejar. E, mais uma vez… PELA ALIANÇA!! Putz, to toda arrepiada de novo, até os pelinhos da perna, cara!

BlizzCon 2017 - Sylvannas

Destaque para o sorrisinho de Sylvannas, como quem pensa “Agora assim, garoto, isso sim é uma guerra que vale a pena ser lutada!”
Prevejo várias tretas!

Agora, o que foi esse mapa de Overwatch (outro jogo super legal que eles tem)? Bem que a Blizzard podia montar um parque desses na vida real Vai Blizzard, nunca te pedi nada!

 

Diversos painéis interessantes da BlizzCon 2017…

Muita coisa para ver ao mesmo tempo, mas um em particular me chamou a atenção: O painel Voices of Blizzard: Powerful Women of WarCraft. Este painel maravilhoso reunia algumas atrizes que fazem as vozes de personagens fortes no game World of Warcraft. Eu não tenho como disponibilizar esse painel pra vocês darem uma olhada, pois era um conteúdo exclusivo para quem tem o ticket. Mas posso dizer que foi incrível de se ver.

Mediado pela diretora de voz e responsável pelo casting da Blizzard, Andrea Toyias, a conversa com as atrizes foi super gostosa de acompanhar. Andrea é super simpáticas e cheia de carinho pelo trabalho que faz.  No painel estiveram presentes Laura Bailey que interpreta Jaina Proudmoore; Elle Newlands que faz a regente de Altaforja Moira ThaurissanDeb Mae West que faz a incrível voz de  Maiev Shadowsong ( ou Maiev Cantonegro);  Misty Lee, a voz de Lady Liadrin; Salli Saffioti, a Thalyssra primeira arcaísta de SuramarMara Junot, voz de Alleria Windrunner (Alleria Correventos, irmã de Sylvannas; Patty Mattson, a icônica Sylvannas Correventos ; e por fim o designer sênior Steve Danuser, único homem no painel.

Andrea Toyias explicou como faz a escolha dos atores para interpretar as vozes os personagens. Disse que procura pelas pessoas certas, que vão doar personalidade e emoções para as personagens, não simplesmente uma dublagem. Foi delicioso depois ver cada uma das atrizes falando sua experiência nesse trabalho de anos (sim, há quem esteja fazendo esse trabalho há mais de 10 anos), e explicando como fazem para se inspirar e achar a voz certa para interpretar as personagens. Apesar das personagens serem fortes heroínas, também tem momentos de vulnerabilidade, medo e confusão, como na vida real. Além de procurarem manter a feminilidade lidando com tudo que acontece ao redor delas. Dá pra ser feminina e poderosa ao mesmo tempo sim (já fica aqui a dica hahahah)!

Esse painel em especial me cativou por dois motivos. Um deles foi a possibilidade de conhecer um pouquinho quem está por traz de vários personagens que admiro. Mas o principal foi a mensagem passada pelo painel. Toda essa questão de ser feminina e poderosa ao mesmo tempo, as dificuldades que nós mulheres temos ao nos impor ao mundo. Sendo tachadas disso e aquilo por nos mostrarmos fortes e poderosas.

O incentivo em sermos quem nós somos, termos orgulho de sermos que somos, de não termos medo de mostrar ao mundo quem somos. Que podemos sim ser “bad asses” sem deixar de ser femininas.

Outra mensagem importante foi que tudo é uma questão de escolha. Não podemos escolher o que nos acontece, mas podemos (e devemos) escolher o que fazer com o que nos acontece. “It’s not what happens to us, but what we do about it.”  Quando somos derrubadas e nos reerguemos, nós escolhemos ser as nossas próprias heroínas, as heroínas de nossas próprias histórias.

Steve Danuser fechou o painel falando o quanto trabalhar com mulheres fortes fez dele um homem melhor. <3

Além disso as atrizes foram super fofas respondendo perguntas da plateia. Incentivando uma fã tímida que fez uma pergunta super nervosa. Ela perguntou como as atrizes fazem para interpretar mulheres fortes acolhendo sua própria feminilidade. Basicamente como ser poderosa e feminina ao mesmo tempo. A intérprete de Lady Liadrin, Misty Lee, respondeu com algo que me deixou arrepiada. Ao dizer que a jovem era forte e feminina e tinha mostrado isso para todo mundo ao se levantar e ir fazer a pergunta na frente de todos, mesmo mostrando sua timidez. Ela disse então a seguinte frase: “The more of your heart you show us, the more we get to conect. Remember this: you matter” – “Quanto mais você mostra o seu coração, mais podemos nos conectar. Lembre-se disso, você é importante!”

Desculpe o palavrão, mas foi muito foda!! Como não ser fã?