Torre do Alvorecer – Trono de Vidro, Sarah J. Maas

Eu esperei ansiosamente pelo lançamento de Torre do Alvorecer, o sexto livro da série Trono de Vidro de Sarah J. Maas. Comprei na pré-venda, ansiosa para que ele chegasse, e no dia seguinte de seu lançamento ele chegou lindinho aqui em casa. Lindinho não, lindão, pois o volume conta com mais de 600 páginas. Houve quem dissesse que era spin off, mas quem disse isso claramente não sabe do que está falando.

Torre do Alvorecer

De início, li-o avidamente, devorando, doida pra vir contar pra vocês o que achei. Mas aí, lá pela metade eu comecei a pensar que não queria que acabasse, já apegada aos personagens e ciente que terei que esperar mais um pouco pelo próximo livro que deve ser o final da série. Ontem eu terminei de ler Torre do Alvorecer. Já posso dizer que os capítulos finais são lindos, emocionantes e eu chorei aquele choro gostoso quando alguma coisa nos emociona, sabe? Valeu cada palavra.

Mas afinal, do que se trata Torre do Alvorecer e por que ousaram chamar de spin off?

Torre do Alvorecer mostra a jornada de Chaol Westfall e Nesryn Faliq à Antica, que fica no continente sul. Lá eles encontram um reino completamente diferente de Adarlan. Um reino próspero, cheio de honra, costumes, história e beleza própria. Uma cultura diferente que eu relacionei muito com a cultura oriental. A família paterna de Nersyn é dessas terras, o que faz com que ela seja uma espécie de guia dos costumes locais a Chaol. Já para ele tudo é novidade e a língua local para ele oferece alguma dificuldade. Príncipes e princesas, um imperador e uma imperatriz marcados pelo luto da perda de uma das filhas. Relacionei com o Oriente por eles usarem o branco como luto.

Torre do Alvorecer

Em Antica, na Torre Cesme, ele conhece Yrene. Ela, na verdade, é uma velha conhecida nossa, desde A Lâmina da Assassina. Alguém que temos a oportunidade de conhecer melhor neste volume, e, meus amigos, vale a pena.  Por essas razões algumas pessoas podem acreditar que seja uma espécie de spinoff. Pois o livro é focado em personagens considerados secundários se fomos ver a série como um todo. Mas o fato é que, com esse volume, percebemos o quanto eles são fundamentais para a guerra que está por vir. E as informações que descobrimos acompanhando todos eles confirmam isso.

Não é spin off. Falo com tranquilidade. (entenderam a referência? rs)

A partir daqui pode haver spoilers!

Chaol Westfall não é um dos meus personagens favoritos. Ele faz umas cagadas em Trono de Vidro, mas a gente meio que perdoa ele. Por essa razão, quando foi anunciado que o fio condutor de Torre do Alvorecer seria ele e a capitã Faliq, confesso que fiquei meio desanimada. Principalmente depois do desfecho de Trono de Vidro 5, Império de Tempestades, que deixou todo mundo tenso com um “e agora?” cravado na alma. Mas pensei que seria bom continuar lendo as coisas desse universo enquanto o próximo não sai.

Torre do Alvorecer
A Torre Cesme na contracapa

O que eu não sabia era que o universo poderia ser tão mais rico do que o já apresentado até agora. Quem já leu os outros volumes sabe que Chaol está paralisado da cintura pra baixo devido a sua luta contra o Rei de Adarlan. E que foi enviado à Antica para procurar os curandeiros da Torre Cesme, conhecidos por serem capazes de curar esse tipo de coisa. Ele parte também com a missão de pedir apoio ao khagan (o imperador) para que o norte possa ter alguma chance na guerra contra os valg. Se formos parar pra pensar parece chato né? Procurar cura e aliados. Curandeiros e estratégias de guerra.

Sim, tem tudo isso, mas tem também relações humanas. Nesse reino de cultura rica e própria, onde o imperador é respeitado e admirado, onde não falta nada ao povo, Chaol se vê obrigado a lidar com seus próprios traumas, preconceitos e com uma curandeira impetuosa. Há criaturas maravilhosas, os Ruks, aves gigantescas e inteligentes que servem de montaria para o príncipe Sartaq. Nada é conquistado de maneira fácil. Há redenção. Há uma série de reviravoltas de tirar o fôlego, bem típicas da autora. Que criatividade essa mulher tem!  E tudo, absolutamente tudo, está conectado. Até mesmo a coruja da capa de Torre do Alvorecer é importante. Tudo se encaixa bem, sem forçar nada.

Torre do Alvorecer
Tudo está conectado!

Tenho vontade de contar tudo a vocês, mas estragaria a surpresa. Tudo que posso dizer é que as coisas que Chaol e Nesryn descobrem no continente sul são fundamentais para o desenvolvimento da guerra que acontecerá no próximo volume. São informações vitais.

Agora só posso esperar para que Sarah J. Maas lance o próximo o mais rápido possível e aconselhar que leiam esse livro maravilhoso. Nem preciso dizer que é necessário ler todos os outros que vieram antes né? Incluindo o A Lâmina da Assassina. Leiam e depois me contem o que acharam.

Torre do Alvorecer é publicado pela Editora Galera Record, com tradução de Mariana Kohnert

Beijos e até a próxima!

 

Gostou? Compartilhe!

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *