Empatia está na moda…

…mas quase ninguém põe em prática. Muitas pessoas não sabem sequer o significado da palavra usada repetidamente – até mesmo por mim – mas a maioria não põe em prática porque empatia dá trabalho. A verdade é essa: muitos tem preguiça de se colocar no lugar do outro.

empatia

Isso mesmo, preguiça. Porque se colocar no lugar de outra pessoa e tentar entender genuinamente o que essa pessoa está sentindo dá um trabalho enorme. Dá trabalho e é cansativo.

Imagine que você está tendo um dia incrível. Tudo correu bem no trabalho, você não se estressou no caminho de ida e nem de volta, seu almoço foi ótimo e tudo está correndo bem. Tudo o que você quer é tomar um banho. Relaxar e dormir bem. Mas aí você recebe uma mensagem no seu WhatsApp com a notícia que a mãe de uma amiga faleceu. O que você faz?
a- Finge que não viu a mensagem e deixa pra responder no dia seguinte;
b – Manda uma mensagem dizendo que sente muito, mas entra no banho e vai relaxar mesmo assim – afinal de contas nada vai estragar o seu dia perfeito, né?
c – Recebe a notícia com pesar, sente a dor como se fosse sua, liga pra sua amiga e vai correndo até ela vê-la e confortá-la no que puder?

Acredite ou não, na prática, são pouquíssimas as pessoas que largam tudo para ajudar um amigo. Assim como são poucas as pessoas que sentem a alegria que o amigo está sentindo. Muitos até resmungam porque acha que nenhuma dor é pior que a sua própria e se ressentem da felicidade alheia. Sim, a mais pura verdade é essa: tem muita gente egoísta assim. Aliás, se pararmos para avaliar bem direitinho perceberemos que a origem de todos nos nossos males é o egoísmo. Mas isso é assunto pra um outro artigo.

Sim, se colocar no lugar do outro que sofre é sair da nossa zona de conforto. Aquela zona gostosinha e feliz da qual já falei aqui antes. Aquela que tudo bem ficar de vez em quando. Afinal batalhamos tanto né? Merecemos nosso descanso, nosso momentinho de relax. É uma maravilha poder tomar um chocolate quente e relaxar. E tudo bem.

Mas quando alguém precisa que nos coloquemos no lugar dele… ah… como é difícil. Como é complicado. Como fingimos faze-lo usando palavras doces nos nossos discursos de internet, quando na vida real estamos cagando e andando. Tentar sentir o que o outro está sentindo é difícil demais. Sabe por que? Porque só de imaginar a dor do outro corremos o risco de sufocar. Então é mais fácil ser superficial e dizer “Fulano reclama de barriga cheia”, “Fulaninha só reclama, parece carência.” “Nossa, eu no lugar dela não estaria tão triste. É uma bobagem!” “Racismo? Ah, racismo não existe.”

Está chocado? Nada disso é inventado, são exemplos que eu mesma já presenciei. Vou dar mais um exemplo pessoal aqui. Ouvi de uma pessoa que se dizia minha amiga quando havia poucos meses que havia perdido a minha mãe a seguinte frase: “Você é muito apegada ao luto. Fica postando sua tristeza no Facebook, fica parecendo carência.” Legal né? Super amiga essa. Fiquei super magoada e o que eu disse para ela foi o seguinte: “Experimenta perder a sua mãe primeiro e depois vem julgar a minha dor, ok?” Sabe como ela interpretou isso? Como se eu tivesse rogando praga para a mãe dela. O que é no mínimo risível. Primeiro: eu não acredito em pragas, isso é coisa de gente tacanha e pequena. Segundo: Eu jamais faria mal a alguém ou desejaria o mal de alguém, minhas amigas de verdade sabem disso porque me conhecem. Terceiro, e mais importante: tudo o que eu quis dizer para ela foi que ela precisava se colocar no meu lugar antes de tratar um assunto importante para mim com tanta leviandade. Eu pedi empatia. Algo que jamais deveria ter que ser pedido, principalmente de alguém que se dizia tão minha amiga. Talvez, na hora da mágoa eu não tenha escolhido as melhores palavras para me expressar ao pedir compaixão. E esta é a única coisa da qual eu me desculpei. De todo o resto não. Acabou que ela não era minha amiga, nem nunca tinha sido. E tudo bem, pois meus amigos de verdade se colocaram sim no meu lugar e me deram o colo que eu precisava.

Exemplos de falta de empatia no mundo não faltam. Aposto que aconteceram diversas coisas com você que está me lendo agora. Pessoas que foram levianas com seus sentimentos porque não queriam se dar ao trabalho se sentir algo ruim ou triste ao se colocar no seu lugar. Acontece todos os dias. Em todos os momentos. Na internet e fora dela. Mas para e pensa: você tem tratado o seu próximo como gostaria de ser tratado?

Museu da Empatia – Caminhando em seus sapatos…

Em um outro post meu eu questionei se empatia poderia ser ensinado. Eu não tenho a resposta para isso, mas existe atualmente em São Paulo uma exibição sobre o assunto .Para quem deseja entender um pouco melhor que história é essa de empatia, a exposição está acontecendo no Parque do Ibirapuera. Com a curadoria da Intermuseus,  a instalação é composta de uma caixa de sapatos gigante com uma coleção de sapatos e histórias de seus donos. Estas histórias vão desde experiências de superação após o luto, até casos de preconceito, gordofobia, LGBTfobia e outros relatos. A exposição busca promover uma reflexão sobre a importância da empatia.

Foto do site Intermuseus

Dentro de uma caixa de sapatos gigante, o público vai encontrar uma coleção de diferentes sapatos e de histórias que abordam nossa diversidade e nosso pertencimento comum à humanidade. Ao escolher um par de sapatos, o visitante pode calçá-los e caminhar pelo espaço enquanto ouve pelo fone de ouvidos a história da pessoa à qual eles pertenceram. A instalação propicia uma experiência participativa e envolvente e convida o público a repensar as relações sociais de preconceito, conflito e desigualdade. O público poderá escolher entre 25 depoimentos de cerca de 10 minutos, todos captados e editados especialmente para a edição brasileira do projeto.

O Brasil não é o primeiro país do mundo a receber o Museu da Empatia. Depois da primeira exposição feita em Londres, a exposição percorreu outras cidades inglesas e países como Austrália e Irlanda.

Serviço: Parque do Ibirapuera
18 de novembro a 17 de dezembro de 2017
                   terça a sexta, 10h às 19h / sábados e domingos, 11h às 20h
                   Grátis / 25 pessoas por vez (senhas distribuídas no local) – A instalação é indicada para maiores de 14 anos. Menores desta idade poderão visitar acompanhados dos pais ou responsáveis.

28 anos de A Pequena Sereia

O filme da minha princesa favorita de todos os tempos, Ariel, A Pequena Sereia, foi lançado há 28 anos atrás no dia 17 de novembro de 1989. E é claro que eu precisava comentar algo a respeito. Do Heavy Metal às princesas Disney, sim, eu tenho gostos bem variados! Esse é o meu jeitinho hahahahah (piadinha besta, só pra chamar vocês para lerem meu post anterior também, rá!) Eu sou tão fã da Ariel, que o meu bolo de aniversário desse ano foi com essa tema.

A Pequena Sereia

 

A Pequena Sereia e a Era do Renascimento

Muitos não sabem, mas a história dos Estúdios Disney é contada através de suas Eras. Elas são: A era de ouro, Os tempos de Guerra, A era de prata, A era de bronze, O renascimento, O pós-renascimentoA era da renovação e, finalmente, a era dos live-action, ou filmes de “carne e osso”.

Só para ambientar um pouco: a era de ouro corresponde aos cinco primeiros filmes de animação da Disney, Branca de Neve, Pinóquio, Fantasia, Dumbo e Bambi. São filmes inesquecíveis que trouxeram a magia Disney à vida das pessoas.

Os tempos de guerra aconteceram justamente durante a Segunda Guerra Mundial, que por sua vez trouxe muitos problemas. Com verbas reduzidas para a produção dos longas que requeriam uma grande equipe de animadores, os estúdios Disney passaram a produzir animações menores.

A era de prata durou quase duas décadas e filmes que foram arquivados durante a Segunda Grande Guerra são finalmente produzidos, dentre eles nossa amada Cinderela, Alice no País das Maravilhas, A Dama e o Vagabundo, 101 Dálmatas dentre outros.

A era de bronze ocorreu após a morte de Walt Disney em 1966. Os estúdios se afastaram dos contos de fada e se concentraram em histórias originais como Aristogatas, O Caldeirão Mágico, As Aventuras do Ursinho Pooh, Bernardo e Bianca etc. A era de bronze é também conhecida como era obscura, pois houve pouca receptividade do público.

A Pequena Sereia Ariel

Então chegamos ao Renascimento. E aí que A Pequena Sereia se torna um marco na história das animações. Os estúdios quase afundaram na era anterior. Quando A Pequena Sereia chegou aos cinemas em 1989 resgatou a magia dos contos de fadas atraindo novamente o público. Com o filme o mundo conheceu Ariel uma das princesas mais amadas de todos os tempos. Depois disso vieram filmes como A Bela e a Fera, Aladdin, O Rei Leão, Pocahontas, O Corcunda de Notre Dame, Hércules, Mulan e Tarzan.

Algumas curiosidades

O ruivo dos cabelos da Pequena Sereia foram escolhidos por motivos técnicos. Ela inicialmente seria loirinha como as sereias costumam ser retratadas. Mas o ruivo foi escolhido em parte porque o vermelho e o verde são cores complementares, e também porque Daryl Hannah acabava de jogar uma sereia loira no popular “Splash“.

A Pequena Sereia

Afirma-se também que a cor funcionava melhor no escuro no fundo do oceano, além do fato de que o melhor amigo de Ariel, o Linguado ser amarelo era necessário algo que se destacasse mais.

A Pequena Sereia

 

Ariel é uma das primeiras princesas a salvar o príncipe por incrível que pareça. Não foram Elsa e Anna que começaram esse movimento, e sim Ariel. Lá no início do filme tudo o que Ariel queria era poder se aventurar no mundo dos humanos. Só depois que ela vê o príncipe e o salva de se afogar no mar depois que seu navio é destruído por uma tempestade. Ariel o tira da água e canta para ele até ele melhorar, fugindo logo que ele acorda.

A Pequena Sereia Ariel salva Eric

Mais tarde no filme Eric a ajuda a salvar o pai dela, mas não antes de ser salvo novamente por Ariel de ser destruído pela bruxa do mar, Úrsula. Ariel não é em momento algum uma donzela indefesa fazendo tudo por amor. É uma princesa curiosa, que sonha em viver grandes coisas. Encontrar o amor foi apenas consequência. Já Eric era o cara que buscava o amor.

A cor azul-esverdeada da cauda de Ariel foi especialmente misturada pelo laboratório de pintura da Disney – eles chamaram a nova cor “Ariel” em sua homenagem.

Na cena de abertura com o rei Tritão, você pode ver o Mickey Mouse, o Pateta e o Pato Donald na multidão.

Nos desenhos de desenvolvimento originais, Úrsula foi retratada como um peixe-espinho ou um peixe-escorpião.

A Pequena Sereia - Úrsula

Após a primeira exibição, o produtor Jeffrey Katzenberg queria cortar a música “Part of Your World“. (Ele admite agora que é uma história embaraçosa.)

Sobre os nomes das muitas irmãs de Ariel: Atina foi inspirada por um musical que Alan Menken escreveu intitulado “Atina: Rainha do mal da galáxia”, Alana era o aceno lírico de Howard Ashman para Alan Menken e Andrina era o nome de uma das diretoras instrutores de aeróbica.

Os nomes das irmãs de Ariel são Aquatta, Andrina, Arista, Attina, Adella e Alana. O nome completo de Sebastião é Horacio Thelonius Ignatius Crustatious Sebastian.

A Pequena Sereia - irmãs de Ariel

Alan Menken nunca havia composto um título de destaque para um filme da Disney antes, então A Pequena Sereia foi considerada uma espécie de teste. Ele achou que sua primeira música era horrível e tinha certeza de que ele seria demitido.

O nome do tubarão é Glut, embora nunca seja mencionado no filme. Originalmente, Glut voltaria para outra luta, apenas para ser derrotado por Linguado em um momento de glória, mas foi cortado quando a história foi simplificada.

Quando Linguado está falando sobre Sabidão, ele se transforma fisicamente na gaivota por alguns segundos.

A Pequena Sereia - Linguado

Príncipe Eric é considerado um dos príncipes mais charmosos de todos os tempos. É também o segundo Disney Príncipe para matar o vilão do filme, sendo o primeiro, o príncipe Phillip e o terceiro Aladdin (ou quarto, se você contar com a Fera derrotando Gaston). Príncipe Eric é o primeiro Disney Príncipe a ter covinhas e único príncipe Disney a ser pai.

A Pequena Sereia - Príncipe Eric

A Pequena Sereia Ariel e Eric casam

Muitos dos marinheiros que dançam no navio do Príncipe Eric são caricaturas de pessoas da equipe. O homem que dança na plataforma é relatado Razoul Azadani, que trabalhou com Ron Clements e John Musker em vários filmes (recentemente ele era um artista de layout em Paperman).

A Pequena Sereia

Existem outros dois longas contando a história de Ariel. Em A Pequena Sereia 2 vemos Ariel como mãe de uma menininha chamada Melody que faz o caminho inverso da mãe: quer por que quer viver no mar. Ariel é de fato a única princesa a se tornar rainha e mãe nas histórias da Disney.

A Pequena Sereia 2

O filme A Pequena Sereia 3 conta os acontecimentos anteriores do primeiro filme. Mostrando a mãe de Ariel, a rainha Athena, e os motivos porque o rei Tritão queria distância do mundo dos humanos.

A Pequena Sereia 3

Há também uma série de desenhos animados de A Pequena Sereia, mostrando as aventuras de Ariel antes do primeiro filme.

A personalidade de Ariel é de uma garota curiosa e corajosa. Além de ser muito gentil e sonhadora. Por mais que queira explorar o mundo dos humanos, ama sua família de todo coração e se preocupa com todos. Muito generosa, uma princesa admirável.

A voz de Ariel

Jodi Benson, a atriz que fez a voz de Ariel cantando aquelas canções todas lindas do filme A Pequena Sereia, vai reprisar deu papel no filme Detona Ralph 2, onde todas as princesas vão aparecer. Esse filme deve sair em novembro de 2018, mas até lá dá pra se deliciar com a voz de Jodi em vários vídeos do canal da Disney no YouTube.

E aí, já sabiam dessas curiosidades a respeito da Ariel? As informações foram tiradas do site Oh My Disney e algumas das imagens também.

Beijos e até a próxima!

Não vem com essa de “é só a minha opinião”, ok?

Quantas vezes você já viu a expressão “meu jeitinho“, “sou dessas“ou ainda “minha opinião” para justificar alguma grosseria gratuita em comentários na internet? Ou pior, será que você já usou essas expressões? Em um primeiro momento é até engraçado. Super dá pra fazer piada com isso, mas vamos conversar um pouco sobre como esse comportamento não é tão legal assim.

 

Não é ok!

É super ok fazer uma piada sobre si mesma e dizer esse é “meu jeitinho” se você não estiver magoando ou ofendendo ninguém. Um exemplo: Ah, comprei um café na Starbucks, saí andando com ele na rua distraída, tropecei e derramei o troço todo. #esseémeujeitinho – Beleza! É engraçadinho, você está dizendo que é desastrada, mas no máximo isso só faz alguém rir e no fundo é fofo. Assim é super ok.

O que não é ok é algo do tipo: “Nossa que preguiçosa essa mulher que não malha e fica comendo chocolate. Só minha opinião, tá?” Isso daí não é nada ok. É zero ok. É um comentário grosseiro, carregado de preconceitos e não meramente uma opinião. É um pré-julgamento baseado em Deus sabe quais ideias essa pessoa tem que precisa diminuir alguém, ofendendo-a, chamando-a de preguiçosa para, provavelmente, se sentir melhor consigo mesma. O triste mesmo é ver quanta gente faz comentários carregados de ódio por tudo e qualquer coisa.

 

Já me assustei lendo comentários machistas, homofóbicos, gordofóbicos, preconceituosos (todos os “-istas” e “fóbicos” que você imaginar) sendo concluídos com “minha opinião”.

Agressividade, intolerância e discursos de ódio 

Deixa eu contar uma coisa pra vocês. Muito embora pareça que a internet valida o comportamento “empoderador” pessoal através de memes com frases semelhantes; muito embora existam quizzes bobos para ver o grau de grosseria de alguém; muito embora você tenha uma liberdade de expressão que “permite” que você poste o que bem entender; O Facebook não é validador automático de comportamentos rudes e grosseiros. Aliás, a internet não é terra sem lei como muitos acreditam. Cuidado com isso, ok?

Está um festival de grosseria e agressividade para tudo quanto é lado, já notaram? É como se o facebook tivesse passado de “o grande mural de pessoas felizes e perfeitas” para o “grande muro das lamentações e apedrejamentos“. Aí você posta uma coisa qualquer, já aparece um pra criticar, cagar regra, e agressivamente te chamar disso e aquilo e no fim do comentário escreve “mas é só minha opinião”. Não confunda temperamento e personalidade com falta de educação! Sinceridade não é sinônimo de grosseria! E eu não quero nem começar a falar sobre o uso de signos pra justificar essas coisas, porque olha…

Eu tenho direito a ter minha opinião! Tem sim, mas pera lá.

Todos nós temos o direito de ter nossas opiniões. Fato incontestável. Mas pra quê a agressividade? Por que essa necessidade tão forte de obrigar os outros a pensarem igual? Pra quê ofender alguém gratuitamente, criticando o estilo de vida da pessoa, sem no mínimo se colocar no lugar dele por um segundo. É a bendita falta de empatia outra vez. E pior agora, falta de empatia acompanhada de uma agressividade absoluta que denota uma insatisfação pessoal com a própria vida. Percebe isso?

Procure observar.Observe nos dias em que você está mais de mal com a vida  como você reage às coisas que vê no seu facebook. Ter dias ruins é super normal tá, todos temos dias assim. Aposto que nesses dias seus comentários acabam saindo mais ácidos. É ou não é? Normal. Todo mundo faz isso. É como se a infelicidade e insatisfação procurasse companhia sempre e basta ver alguém mais felizinho que pá a gente joga um veneninho ou um monte de grosseria de uma vez. Observa só se não tá em você mesmo essa vibe aí. O mesmo vale para os dias que você está de boa. Quando a gente está de boa a gente nem se incomoda em envenenar a vida de ninguém.

Esse buraco é bem mais embaixo.

O que eu proponho é sempre a mesma coisa: uma auto avaliação. O que nos leva a nos comportar desta maneira? O que nos falta? O que alimenta esse nosso ódio que cresce sistematicamente e se propaga nas redes sociais? O que está acontecendo internamente para nos levar a nos comportar de maneira tão agressiva? Geralmente a resposta para tais questionamentos está dentro de nós mesmos. Sim, somos nós mesmos que disseminamos uma insatisfação pessoal e íntima. Mas ao jogar nossa “opinião” nos outros – e com ela toda nossa agressividade – estamos na verdade derramando nossas próprias frustrações enquanto pagamos de perfeitinhos do jeitinho que nós somos.

Mas nós estamos longe de sermos perfeitinhos. Não é bem assim. Como seres humanos temos muito que evoluir ainda. É sempre possível se tornar alguém melhor a cada dia. É um exercício constante. #ficaadica Vamos rever isso aí. Combinados? Então tá bom.

Obs.:

  • Talvez seja preciso instaurar uma matéria nova nas escolas. Empatia é algo ensinável, não é?
  • Falando nisso vocês já viram o post sobre Sororidade? Tá bem legal, clica aqui. Ah! Tem também um post muito legal sobre essa coisa de auto avaliação. Dá só uma olhada. Prometo a vocês que vale  pena.

Beijos e até a próxima!